Compartilhe
facebook twitter gplus

Istambul

14/07/2022

Istambul acontece às margens do Estreito de Bósforo, que divide a cidade entre os continentes europeu e asiático. Navegar em um minicruzeiro pelas curvas do canal, que liga os mares Negro e de Mármara, revela monumentos como a mesquita de Ortaköy, a fortaleza Rumelihisari e as três pontes do Bósforo (a Yavuz Sultan Selim Bridge é a quinta mais alta do mundo), bem como as célebres yalis, mansões construídas à beira-mar.

 

Entre as margens estão os bairros Bebek e Ortaköy, que reúnem bares, cafés, feiras livres e casas noturnas; e o distrito de Besiktas, onde fica localizado o suntuoso Çırağan Palace, antiga morada do sultão Abdulaziz no século 19. Ele é vizinho do Palácio Dolmabahçe, último reduto do Império Otomano. Inspirada em Versalhes, a construção, também do século 19, mistura os estilos neoclássico e barroco em seus 403 cômodos, adornados com tapetes de seda e tetos folheados a ouro.

Torre do Castelo Rumeli, em Istambul.

Principal sítio histórico de Istambul, a região de Sultanahmet resguarda o Palácio Topkapi, que abrigou o centro do poder otomano dos séculos 15 ao 19. O complexo de construções e jardins inclui harém e um museu com peças do tesouro imperial. Dentre os monumentos sacros, o mais emblemático é a A Grande Mesquita de Santa Sofia(Ayasofya), também em Sultanahmet. Erguida no século 6 pelo imperador romano Justiniano, foi transformada em mesquita em 1453, após a queda do Império Romano Oriental: coberta, a iconografia cristã deu lugar a inscrições islâmicas e minaretes.

 

Já no século 20, com o início da República, Ayasofia tornou-se um museu, o único do mundo a exibir imagens de Jesus e Maria ao lado da simbologia de Alá e Maomé. A poucos metros fica a Mesquita Azul, do século 17, com seis minaretes e revestimento interior de 21 mil azulejos azuis e arabescos pintados à mão. Afastada de Sultanahmet, a Igreja de São Salvador em Chora, do século 5, apresenta belíssima coleção de mosaicos e afrescos romanos orientais, os mais importantes exemplares remanescentes dessa expressão artística.

Um dos pontos da antiga Rota da Seda, Istambul tem fama pela qualidade, sofisticação e bons preços do comércio. Para quem busca boas compras, o Grand Bazaar, datado de 1461, reúne aproximadamente 5 mil lojas com todos os signos do Oriente: cerâmicas, azulejos, joias, lenços de pashmina, tapetes, narguilés, óleos perfumados, lamparinas e outros badulaques. O Mercado de Especiarias é outro local de peregrinação: especializado em temperos, frutas secas e condimentos, tem cem lojas.
 

Cosmopolita e contemporâneo, o bairro Nisantasi ostenta vitrines de marcas de luxo internacionais em ruas estreitas e prédios art noveau.

Texto por Fernando M. Torres

0 Comentário