Compartilhe
facebook twitter gplus mail

O Último Éden da África

14/11/2017
Os safáris no Delta do Okavango. (Foto Alexandre Suplicy)
Baobá, árvore milenar que é símbolo da África. (Foto Alexandre Suplicy)

Por Adriana Bittar e Alexandre Suplicy. Especial para a The Traveller

Mais que um país, Botsuana é uma dádiva encravada entre África do Sul, Namíbia, Zimbábue e Zâmbia, e um dos melhores destinos para safári de todo o continente.

Em nenhum outro lugar da África me senti tão próxima daquilo que só existia na minha imaginação de viajante. Estar em Botsuana é sentir-se parte da natureza. É viver a verdadeira experiência da vida selvagem. Botsuana tem as áreas mais intocadas e isoladas da África. Com pouco mais de 2 milhões de habitantes, está entre os países menos povoados do globo. Algo raro no mundo superpopuloso em que vivemos. Cerca de 38% da área total do país é coberta por parques nacionais, reservas e áreas de conservação de vida selvagem.

Pouca gente, muitos animais e paisagens magníficas são uma combinação que conquista imediatamente os visitantes. Prepare-se para a sensação de querer voltar antes mesmo de ir embora. Como não há voos diretos do Brasil, o ideal é passar por Joanesburgo e de lá voar até Maun. Apesar de ser a quinta maior cidade de Botsuana, Maun tornou-se a capital do turismo e ponto de partida para muitos viajantes. Isso porque possui um aeroporto internacional e reúne boa parte das empresas de safári e de voos fretados do país. Maun é passagem quase obrigatória para quem segue em direção ao Delta do Okavango, um dos maiores deltas internos do mundo e para muitos o último éden da África. Contrariando a lógica da natureza, ele jamais encontra o mar, já que em Botsuana não há litoral. 

As águas do Rio Okavango percorrem mais de mil quilômetros e são despejadas na terra seca do Kalahari, formando braços e criando um santuário no meio do deserto e da savana. Coqueiros, papyrus, pântanos e rio. Um ecossistema que atrai milhares de pássaros e mamíferos faz deste um dos melhores lugares para observar a vida selvagem no país.

Para se ter uma ideia do tamanho do Okavango, a Reserva Moremi, uma das maiores áreas de safári de Botsuana, cobre apenas um terço do delta e abriga a mais densa concentração de vida selvagem da África.

Aliás, no Moremi é possível observar mais de 400 espécies de pássaros, além dos Big Five, já que os rinocerontes foram reintroduzidos na região recentemente. E não se espante se encontrar uma matilha de wild dogs (os cachorros selvagens) no meio da estrada. Considerados os melhores caçadores da África, são difíceis de serem avistados em outros países do continente. A espécie encontrou em Botsuana um habitat que  possibilita fartas caçadas diárias. O melhor é que o Moremi é um dos cantinhos mais acessíveis desse paraíso.

As estradas são de terra, porém bem conservadas, e a região conta com alguns dos lodges mais incríveis do mundo. Outro destino imperdível em Botsuana é o Parque Nacional Chobe, que se tornou uma reserva de vida selvagem em 1930 e o primeiro parque nacional do país, em 1968. O Chobe é famoso por abrigar a maior concentração de elefantes de toda a África. Então, prepare-se para ficar cara a cara com esses gigantes. Ainda na estrada que dá acesso ao parque, é possível avistar dezenas de animais – elefantes, zebras, girafas. Você se sente premiado antes mesmo de chegar ao destino. O Chobe fica bem ao norte de Botsuana e é uma região privilegiada por causa do rio que leva o mesmo nome.

O Rio Chobe nasce nas montanhas de Angola e se divide entre Botsuana e a Namíbia. Durante o período de seca, centenas de elefantes se encontram nas suas margens. Por isso, os passeios de barco são tão procurados.

É nas águas do Chobe que os animais vêm matar a sede, principalmente pela manhã e no fim da tarde. E como parte da experiência de safári no parque, a dica é simplesmente encontrar um lugar com bom ângulo de visão e apreciar o espetáculo que os animais proporcionam de dentro do carro. Garantia de fotos incríveis. Os animais não demonstram nenhuma timidez e circulam tranquilos pela margem do rio, quase que camuflados com a areia e as pedras. Este também é o melhor ponto para se observar os hipopótamos, dentro e fora d'água. Considerados os animais mais territoriais de toda a África, são respeitados e temidos pelo povo de Botsuana. Como eles nadam em bandos, é preciso ficar atento porque, ao avistar um, logo aparece uma turma de hippos dando um mergulho e emitindo os sons que sinalizam que estamos em uma área do rio que pertence a eles.

Botsuana é um presente para os amantes da natureza e das viagens memoráveis. Um encontro com o selvagem da África e um reencontro consigo mesmo. Realmente dá para entender por que é considerado o último éden do continente africano. Prepare o olhar, as lentes da câmera e o coração.

Há quem fique horas estacionado nos veículos de safári assistindo de camarote a esse espetáculo que os animais nos proporcionam (Foto Alexandre Suplicy)
0 Comentário

Comentários com conteúdo impróprio e/ou spam poderão ser removidos.